sexta-feira, 5 de junho de 2009

o peso na consciência

(...) o filósofo explica que "o que havia de ridículo na nudez foi dissipado pela razão", pois é "tolo quem julga ridícula qualquer outra coisa que não seja o mal, ou quem tenta fazer rir tomando como motivo de troça outro espectáculo que não seja o da loucura e o da maldade". "O útil é belo e só é vergonhoso o que é prejudicial". Começa aqui uma certa defesa do nudismo.
(...)
Mas PLATÃO vai ainda mais longe e tem consciência de que o que vai preconizar a seguir é uma enorme ousadia em comparação com a ideia anterior: trata-se, nada mais nada menos, de proclamar a abolição do casamento e da família. Diz Platão textualmente:
"As mulheres dos nossos guardas serão comuns a todos esses homens, nenhuma delas coabitará em particular com nenhum deles (...)". (...)


in História das Ideias Políticas, Freitas do Amaral

E assim o Capitão Haddock tirou o cachimbo da boca e contemplou vitoriosamente os risos inocentes.

:)

2 comentários:

l. disse...

ai, quando fores assistente ainda vais ter que ler isso com a intenção certa... é o chamado "há gente que ainda se vai arrepender de se meter com aqueles que estão sempre de saída para um doutoramento HC..."

direitoÀcena disse...

Veja lá se quer mesmo meter-se com o Capitão Haddock, F. Better not.

ln