domingo, 28 de dezembro de 2008

Afonso's Day

Happy Birthday!

(E, just for the record, consegui chegar a um computador com net com risco da própria vida!)

(ln)

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Até Janeiro!

“É tarde já, vão sendo horas – horas de quê? De nada. De existir. De olhar ainda a luz, a vida . De absorver em mim o universo e levá-lo comigo sem nada desperdiçar. De exercer o ouvido enquanto ouve, os olhos, o corpo inteiro para que nada fique dele sem se cumprir. De encher os bolsos de tudo o que se me dá ou sonhar mesmo o que me não deram e não deixar perder nada por distracção. De dizer a palavra vida e tudo nela florir logo na sua existência. (...). A luz, a luz. (...) Não é a luz sumarenta do Outono ou a luz pesada do Verão. É uma luz nítida e ainda fria dos gelos do Inverno. Recorta as coisas pelo seu limite a elas emergem inteiras do seu ser. Essencialidade da vida, é a altura de lavarmos nela as mãos e olhar. Entender aí a nossa relação com elas e sermos nós também na inteireza do que somos. Aprender a ver o mundo na sua estrita realidade sem um ver que nos cegue como o fogo do Verão e a moleza outonal. Aprender o limite do excesso de nós para conhecermos a alegria que nos não cansa ou a melancolia que tem pacto feito com a morte. Existir uma vez ainda no recomeço de existir. E saudar a vida ainda, como se pela primeira vez.“

Vergílio Ferreira (Escrever, 20/314)


Que 2009 seja um ano cheio de luz nítida e inteira.



LN



quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Parabéns e tal

Joanita,


Cá vem o DàC dar virtualmente um abraço de parabéns e desejar um ano repleto de coisas boas** para a pitufa aniversariante do dia!

**Por "coisas boas" entendam-se, em enumeração meramente exemplificativa: amigos, família, gins ao final da tarde, viagens, livros, gargalhadas sonoras e cheias de vontade, fofocas, jantares com bom vinho, sol a obrigar a semicerrar os olhos, lareiras, vento a pedir abraços, palcos, aulas de dança em boa companhia ;-). Ah, e poucas chatices com a Segurança Social, para compensar o dia de hoje.


(LN)


terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Réplica

"(...)
Enfim duma escolha faz-se um desafio
enfrenta-se a vida de fio a pavio
navega-se sem mar sem vela ou navio
bebe-se a coragem até dum copo vazio
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
e outra maré cheia virá da maré vaza
nasce um novo dia e no braço outra asa
brinda-se aos amores com o vinho da casa
e vem-nos à memória uma frase batida
hoje é o primeiro dia do resto da tua vida"

(Sérgio Godinho, O primeiro dia)


Boas Festas....

(LN)





























terça-feira, 9 de dezembro de 2008

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Rescaldo



Love is in the air, everywhere I look around
Love is in the air in the rising of the sun
Love is in the air when the day is nearly done

If you know what I mean.

Love Is In The Air / John M. Young - Love...

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Irra para as 4038 marcações de jantares de Natal

Um dia que Deus estava a dormir
E o Espírito Santo andava a voar,
Ele foi à caixa dos milagres e roubou três.
Com o primeiro fez que ninguém soubesse que ele tinha fugido.
Com o segundo criou-se eternamente humano e menino.
Com o terceiro criou um Cristo eternamente na cruz

................................................

Depois fugiu para o sol
E desceu pelo primeiro raio que apanhou.
Hoje vive na minha aldeia comigo.
É uma criança bonita de riso natural.
Limpa o nariz ao braço direito,
Chapinha nas poças de água,
Colhe as flores e gosta delas e esquece-as.
Atira pedras aos burros,
Rouba a fruta dos pomares
E foge a chorar e a gritar dos cães,
E, porque sabe que elas não gostam
E que toda a gente acha graça,
Corre atrás das raparigas
Que vão em rancho pelas estradas
Com as bilhas às cabeças
E levanta-lhes as saias.
Ele mora comigo na minha casa a meio do outeiro.
Ele é a Eterna Criança, o deus que faltava,
Ele é o humano que é natural,
Ele é o divino que sorri e que brinca.
E por isso é que sei com toda a certeza
Que ele é o Menino Jesus verdadeiro.

In "O Guardador de Rebanhos" de Alberto Caeiro

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

direitoÀcena

دِ رَ إِ تُ أَ سنَ
.
bonito, não é?
.
.
(لِلَ)

OFICINA DE TEATRO I (fotos)


15.11.2008 10h
FDUP, sala 102

O Público

Havana nightclub

Traíste-me? Tens provas?

O cabelo era cor de laranja (faz de conta!)

Pitufas

A Jangada

A Jangada II



O nosso agradecimento à Cláudia M. Oliveira, pela paciência.


(lbc)

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Em directo para a TVI...

Conforme prometido, aqui vai...

Em dia de Festa do Vinho Verde, Joana Felgueiras, em directo para a TVI, a partir do Mosteiro de Pombeiro (PR1 Felgueiras)

(lbc)

Marcado o dia de ensaios

A todos os membros - passados, presentes e futuros - do DireitoàCena: os ensaios para a próxima produção do grupo terão lugar às SEGUNDAS FEIRAS, às 20h (com início no dia 5 de Janeiro de 2009).

Até lá, chama-se a especial atenção de todos para a participação do grupo nas comemorações do dia da FDUP a 12 de Dezembro.

(ln)

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Ensaio

Recordo que está marcado ensaio para hoje (2ª feira, 17 de Novembro) às 20h.

(ln)

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Para a Joana

(do jornal de hoje)

Urbanitas - núcelo de pedestrianismo do dÀc (3)

Domingo, 16.11.2008

Local de encontro: 9h Praça Velasquez
Destino: Felgueiras/Vila Fria Pombeiro PR1 (Caminhos Medievais) e PR2 (Caminhos Verdes)

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Workshop de dia 15 de Novembro

Avisam-se os inscritos que o Workshop do próximo sábado - das 10h às 13h - será na sala 102.


(ln)

Nota: levar roupa de trabalho, quentinha e confortável, com sapatilhas leves ou meias.
Formadora dixit...

(lbc)

Imagens do PR2

Amigos,

Hoje quero partilhar convosco as imagens da nossa mascote do 2º passeio pedestre em Amarante.


Chamamos-lhe Jacinto.

Foi um dia cansativo (muito, extremamente, extraordinariamente...) mas o passeio (12km monte acima/monte abaixo) valeu a pena!

(lbc)

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Urbanitas - núcelo de pedestrianismo do dÀc (2)

Sábado, 8.11.2008

Local de encontro: 9h Praça Velasquez
Destino: Amarante PR2 (Rota de S. Bento)- Rua/Aboadela


segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Urbanitas - núcelo de pedestrianismo do dÀc

Domingo, 2.11.2008

Local de encontro: 9h Praça Velasquez
Destino: Arouca PR13 - Covêlo de Paivô/Regoufe

Foi um dia fantástico!

Deixo-vos com as fotos.
.

Cogumelos em Covêlo de Paivô

Regoufe. Início do PR13, destino Covêlo de Paivô e do PR14, destino Drave

Casinha em Regoufe

Vacas em Regoufe
Urbanitas Cansados

Início do PR13 Covêlo de Paivô


.

A descrição do passeio, do percurso invertido sem marcações, o Geoparque, o posto de turismo, o padre de Senhora do Monte, a canseira, a borga, as músicas cantaroladas, as vacas e restante bicheza, a queda da Inês, o cemitério, a menina Lúcia, a irmã Lúcia, o Beatle favorito, o PR14 (versão caminhante solitário), a invasão de propriedade, o par romântico, a merenda, o kit de primeiros-socorros do Afonso, a echarpe rosa choque e restante modelito da Joana (versão caminhante urbanita), a lua em quarto-crescente e outras aventuras mais, ficam para o nosso próximo encontro...

Já está na calha o próximo passeio.
Fiquem atentos!

Obrigada amigos por um dia perfeito.

(lbc)

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

OFICINA DE TEATRO I

.























.
Jovem, junta-te a nós!

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Os pitufos fazem hoje 50 anos!


O Mercador de Veneza


.
TEATRO NACIONAL DE SÃO JOÃO
7-23 de Novembro de 2008

Terça a Sábado: 21h30
Domingo: 16h

de
William Shakespeare

tradução
Daniel Jonas

encenação
Ricardo Pais

interpretação
Albano Jerónimo, António Durães, João Castro, Jorge Mota, José Eduardo Silva, Lígia Roque, Luís Araújo, Micaela Cardoso, Paulo Freixinho, Pedro Almendra, Pedro Frias, Sara Carinhas e David Santos, Pedro Ribeiro


.

Quem se anima?
Há desconto para o grupo de teatro.
Sugestão: marcar já para não perder pitada...

(lbc)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Nao desgosto...

...desta boca de cena.



Royal Theatre Carre, Amsterdam





Na 3a feira vai ser a vez da Mariza pisar este palco. 'Casa cheia', aka Sold Out.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Estados Eróticos Imediatos de Soren Kierkegaard

Fui ontem.

1. Texto que oscila entre trechos pontualmente muito bons e outros q.b. boring.
2. Sem grande evidência de encenação.
3. Interpretações sem grande nota de especial: algumas mesmo abaixo do que seria de esperar, como por exemplo no caso de Regina.
4. Alguns pormenores com piada no que respeita ao tirar partido de um espaço pequeno e despojado, aos adereços, ao guarda roupa.
5. Maquilhagem despropositada - e até se podia vislumbrar propósito no despropositado mas...não.
6. Não se sai a arrancar os cabelos - nem por ser demasiado mau, nem por ser demasiado bom.
7. Acho que tirava mais gozo da leitura do próprio Kierkegaard.
8. Não enche: vê-se. Tout court.

LN


PS Estava por lá o nosso amigo. Mesma camisa. Mesmas calças. Julgo que já é diferente o saco de plástico.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Sobre Fernando Pessoa

Era um homem que sabia idiomas e fazia versos. Ganhou o pão e o vinho pondo palavras no lugar de palavras, fez versos como os versos se fazem, como se fosse a primeira vez. Começou por se chamar Fernando, pessoa como toda a gente. Um dia lembrou-se de anunciar o aparecimento iminente de um super-Camões, um camões muito maior que o antigo, mas, sendo uma pessoa conhecidamente discreta, que soía andar pelos Douradores de gabardina clara, gravata de lacinho e chapéu sem plumas, não disse que o super-Camões era ele próprio. Afinal, um super-Camões não vai além de ser um camões maior, e ele estava de reserva para ser Fernando Pessoas, fenómeno nunca visto antes em Portugal. Naturalmente, a sua vida era feita de dias, e dos dias sabemos nós que são iguais mas não se repetem, por isso não surpreende que em um desses, ao passar Fernando diante de um espelho, nele tivesse percebido, de relance, outra pessoa. Pensou que havia sido mais uma ilusão de óptica, das que sempre estão a acontecer sem que lhes prestemos atenção, ou que o último copo de aguardente lhe assentara mal no fígado e na cabeça, mas, à cautela, deu um passo atrás para confirmar se, como é voz corrente, os espelhos não se enganam quando mostram. Pelo menos este tinha-se enganado: havia um homem a olhar de dentro do espelho, e esse homem não era Fernando Pessoa. Era até um pouco mais baixo, tinha a cara a puxar para o moreno, toda ela rapada. Com um movimento inconsciente, Fernando levou a mão ao lábio superior, depois respirou fundo com infantil alívio, o bigode estava lá. Muita coisa se pode esperar de figuras que apareçam nos espelhos, menos que falem. E porque estes, Fernando e a imagem que não era a sua, não iriam ficar ali eternamente a olhar-se, Fernando Pessoa disse: “Chamo-me Ricardo Reis”. O outro sorriu, assentiu com a cabeça e desapareceu. Durante um momento, o espelho ficou vazio, nu, mas logo a seguir outra imagem surgiu, a de um homem magro, pálido, com aspecto de quem não vai ter muita vida para viver. A Fernando pareceu-lhe que este deveria ter sido o primeiro, porém não fez qualquer comentário, só disse: “Chamo-me Alberto Caeiro”. O outro não sorriu, acenou apenas, frouxamente, concordando, e foi-se embora. Fernando Pessoa deixou-se ficar à espera, sempre tinha ouvido dizer que não há duas sem três. A terceira figura tardou uns segundos, era um homem daqueles que exibem saúde para dar e vender, com o ar inconfundível de engenheiro diplomado em Inglaterra. Fernando disse: “Chamo-me Álvaro de Campos”, mas desta vez não esperou que a imagem desaparecesse do espelho, afastou-se ele, provavelmente tinha-se cansado de ter sido tantos em tão pouco tempo. Nessa noite, madrugada alta, Fernando Pessoa acordou a pensar se o tal Álvaro de Campos teria ficado no espelho. Levantou-se, e o que estava lá era a sua própria cara. Disse então: “Chamo-me Bernardo Soares”, e voltou para a cama. Foi depois destes nomes e alguns mais que Fernando achou que era hora de ser também ele ridículo e escreveu as cartas de amor mais ridículas do mundo. Quando já ia muito adiantado nos trabalhos de tradução e poesia, morreu. Os amigos diziam-lhe que tinha um grande futuro na sua frente, mas ele não deve ter acreditado, tanto assim que decidiu morrer injustamente na flor da idade, aos 47 anos, imagine-se. Um momento antes de acabar pediu que lhe dessem os óculos: “Dá-me os óculos” foram as suas últimas e formais palavras. Até hoje nunca ninguém se interessou por saber para que os queria ele, assim se vêm ignorando ou desprezando as últimas vontades dos moribundos, mas parece bastante plausível que a sua intenção fosse olhar-se num espelho para saber quem finalmente lá estava. Não lhe deu tempo a parca. Aliás, nem espelho havia no quarto. Este Fernando Pessoa nunca chegou a ter verdadeiramente a certeza de quem era, mas por causa dessa dúvida é que nós vamos conseguindo saber um pouco mais quem somos.

José Saramago, 5 de Outubro de 2008

http://caderno.josesaramago.org/

(LN)

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Novos membros

O Direitoàcena convida novos alunos com vontade de participar!

Os interessados podem (e devem!) enviar email para direitoacena@gmail.com


(LN)

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Workshop de Introdução ao Contacto Improvisação
com David Santos

Organização Tenda de Saias

David Santos Nasceu em 1983, no Porto. Tem a licenciatura em Teatro, pela Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo (ESMAE). Participou em peças encenadas por Ricardo Pais, João Pedro Vaz, Cláudia Marisa Oliveira, Maria Clemência, Denis Bernard, John Britton, Afonso Guerreiro, José Leitão e Gonçalo Amorim. Acompanhou a
preparação do espectáculo O Tio Vânia, de Anton Tchékhov, encenação de Nuno Carinhas, e das leituras encenadas …A Tua Mão na Minha, de Carol Rocamora, direcção cénica também da responsabilidade de Nuno Carinhas. Encenou a peça Deus, de Woody Allen, apresentada na sala preta da ESMAE, Festival de Teatro Universitário da
Corunha e no evento Serralves em Festa. Participou na produção do Fazer a Festa – Festival Internacional de Teatro, de 2001 a 2003. Foi actor em Debaixo do Pano, filme
de Tomás Baltazar. Desempenhou funções de assistente de encenação e apoio ao movimento em produções como a peça D. João, de Moliére, enc. Ricarado Pais, apoio ao
movimento no espectáculo Teatro Escasso, enc. António Durães, e Maria de Buenos Aires, enc. João Henriques (TNSJ, 2006) e O Café de Goldonni enc. Giorgio Corsetti
(TNSJ 2007/2008). Foi assistente de encenação e coreografia de A Little Madness in the Spring, enc. Giuseppi Frigenni (Produção Casa da Música). Dedicando-se ainda ao
ensino, à performance e à dança, tendo já participado em coreografias de Dieter Heitkamp, Ronit Ziv, Nik Hafner,André Guedes, Susana Queiroz, Paola Moreno e Sérgio Cruz.
Actualmente é encenador do grupo de Teatro 'Cenatório' da Universidade Lusíada e professor de Expressão Dramática na Escola Ginasiano e movimento para
actores no curso profissional de Teatro do Externato Delfim Ferreira. Já foi por duas vezes convidado a leccionar movimento para actores no curso de Teatro do C.I.T.A.C. – Coimbra e deu também seminários no Balleteatro sendo um
deles de Contacto Improvisação. Desde 2006 até à data presente que lecciona Contacto Improvisação e movimento para o elenco do Teatro Nacional São João. Com Dieter
Heitkamp, um dos actuais mestres Europeus do Contacto Improvisação, foi intérprete da sua Lecture-Performance 'Hautsache Bewegung' (Movimento da pele) apresentado
em Frankfurt am Main, Dusseldorf e Berlin. Realizou recentemente como coreógrafo/performer uma residência, que resultou no espectáculo Peak Leisure Park, com um colectivo de artistas inseridos no P.E.T._1 (Project ensemble
Tanzlabor 21) no Teatro Mousonturm em Frankfurt am Main.

Workshop de Introdução ao Contacto Improvisação

Este workshop servirá como uma primeira fase, introdutória a uma intenção de formação contínua (aulas regulares) de contacto improvisação divulgada pela
Associação Cultural Tenda de Saias e leccionada por David Santos na Fábrica da Rua da Alegria.
Esta primeira fase é um pequeno workshop ou uma primeira aula um pouco mais longa, em que vamos mergulhar nos princípios do contacto improvisação através de
visionamento de vídeos e prática in loco com o corpo e mente como um todo. A pluridimensionalidade desta prática desenvolve-se através de uma abordagem esférica sensorial de trabalho sobre o corpo na relação com os conceitos da física, da fisiologia e da visualização.
O treino do corpo aborda desde um trabalho mais sensorial ao aeróbico passando por técnicas associadas ao movimento contemporâneo, moderno, body mind centering,
técnica de Alexander, meditação entre outras abordagens holísticas ao serviço da prática do contacto improvisação.
Com uma perspectiva de continuidade podemos evoluir em conjunto com diferentes pares, lado a lado, num espaço de desenvolvimento de conhecimento técnico (know-how) de contacto improvisação até partilharmos um sentido de uma linguagem própria singular e comum. Desta forma, quando tivermos as conhecidas Jam´s de Contacto Improvisação poderemos sentir crescer de forma mais consciente, a
técnica disponibilidade/consciência do nosso corpo performático no cenário já presente à nossa volta que é o espaço físico que todos habitamos e os corpos que nos
rodeiam mas, potenciados a um novo nível de consciência.
O nosso subconsciente é muito mais rápido a percepcionar e reagir ao mundo que nos rodeia que o consciente. Mas é através da disciplina do consciente e do
corpo que liberamos e damos autonomia ao subconsciente para intervir junto do consciente.
É essencial ter-se prazer pelo movimento e pelo contacto com outro para realizar esta prática.

Destinatários: todos os interessados
Local: Fábrica da Rua da Alegria
Rua da Alegria nº341, 4000 Porto
Datas: 25 de Outubro de 2008 das 21h às 23h
26 de Outubro de 2008 das 15h às 19h
Limite de inscrições: limite mínimo de 10 pessoas/limite máximo de 16 pessoas
Inscrição: 35 euros
Amigos da Tenda: 24,5 euros
Notas: O prazo de inscrição termina a 22 de Outubro de 2008. Para fazer a sua inscrição preencha a folha em anexo e envie para tendadesaias@gmail.com. Posteriormente faremos a confirmação da sua inscrição via email para
poder fazer transferência bancária.

Desistências até ao dia 22 de Outubro implicam a
devolução de 50 % do valor pago.

Desistências a partir do 1º dia do workshop não
implicam qualquer tipo de devolução.

Próximas actividades da Tenda:


Aulas Semanais de Contacto Improvisação
orientação David Santos

Local: (ainda a definir)
Datas: todas as 2ª feiras das 21.30 às 23.30
a começar a 3 de Novembro de 2008
Inscrição: 30 euros mensais
Amigos da Tenda: 21 euros mensais

Jam Session de Contacto Improvisação : )
Datas: todos os últimos sábados de cada mês das 19h
às 21h a começar a 29 de Novembro de 2008
Local: (ainda a definir)


Sugestão de Tiago Vouga do TUP enviado para o direitoacena@gmail.com

(lbc)

ESTUDOS TEATRAIS

Estudos Teatrais 2009

Inscrições de 1 de Out. a 30 de Nov.

O Centro de Estudos Teatrais da Universidade do Porto oferece a sua primeira formação interdisciplinar, de acordo com a relação fundacional entre as três áreas científicas que são sua matriz desde 2006. Direito, Letras e Arquitectura organizam-se em módulos autónomos, procurando um diálogo articulado entretanto ensaiado na actividade investigativa do Centro, no sentido de desenvolver a nível nacional, com destacada participação estrangeira, as potencialidades dos Estudos Teatrais na Universidade do Porto. Dinâmico na consciência de novas possibilidades entre escolas, atento às interpelações, hoje, da nossa cidade, o curso de Estudos Teatrais tenta uma Teoria do Drama, esboça um actual e futuro jurídico do exercício profissional, explora o texto dramático em si e nas suas projecções espectaculares, reflectirá dinâmicas da cenografia. Professores das Universidades de Nova Iorque, Londres,Bristol, Paris, Grenoble partilham, assim, na Universidade do Porto, as suas melhores experiências, desenhando connosco roteiros próximos.

MÓDULOS DO CURSO:
- Módulo A (Martial Poirson - U.Grenoble) - Atelier "classiques": le théâtre de répertoire à l´épreuve de la scène contemporaine.

- Módulo B (Glória Teixeira - U.Porto, Regina Redinha - U.Porto) - Direito
a) Fiscalidade, Gestão e Segurança Social.
b) Direito do Trabalho.

- Módulo C (Jorge Croce Rivera - U. Évora) - Verdade, representação e subjectividade.

- Módulo D (Armando Nascimento Rosa) - Imaginação Simbólica e Mitanálise em Teatro - Modos de comunicação teatral.

- Módulo E (José Manuel Martins - U. Évora) - Representação e realidade: O teatro de Pasolini entre o Enigma e o Mistério.

- Módulo F (Nuno Pinto Ribeiro) - O Mago, o Judeu e o Mouro: algumas projecções de mitos do Ocidente no drama de William Shakespeare e dramaturgos seus contemporâneos.

- Módulo G (Cristina Marinho) - Clássicos da literatura Europeia: Anfitriões.

- Módulo H (Awam Kapwa - U.NIorque) - Postcolonial Studies
General Topic - Drama and Ist Modernities
Program 1 - Colonial places, Postcolonial Spaces: The Politics of Drama and Performance;
Program 2 - Ethics and Subjectivity: Performance, Activism and Citizenship;
Program 3 - Drama, Performance and Inventions of Antiquity.

- Módulo I (Martin White - U.Bristol) - Performing Theatre History
a) Development of theatre history;
b) Theatre studies and performing studies;
c) Archives and documents;
d) Resuscitating and paste performance;
e) Enacting historical practices: documentation and dissemination.

DURAÇÃO: De Janeiro a Dezembro de 2009.

PREÇO:
O valor total da propina do curso é de 1250,00 euros.
O participante poderá, no entanto, optar por inscrever-se num único módulo, sendo os valores os seguintes:

• Módulo A - 200 Euros
• Módulo B - 200 Euros
• Módulo G - 200 Euros
• Módulo C - 150 Euros
• Módulo D - 150 Euros
• Módulo E - 150 Euros
• Módulo F - 150 Euros
• Módulo H - 180 Euros
• Módulo I - 180 Euros

Caso opte por frequentar os módulos C, D e F (programas integrados) pagará 400,00 euros.

INSCRIÇÕES: De 1 de Outubro a 30 de Novembro.

Mais informações
anamartins@reit.up.pt
rrodrigues@reit.up.pt

(LN)

domingo, 5 de outubro de 2008

Estados Eróticos Imediatos de Soren Kierkegaard


Recomenda-se




Estados Eróticos Imediatos de Soren Kierkegaard

...em cena no TCA até 31 de Outubro, pela Seiva Trupe. De Agustina Bessa-Luís. Encenada por Roberto Merino. Com pormenores - a descobrir - que fazem lembrar algumas ideias da Lila para o nosso Quinto Império. Advertência: torna-se difícil resistir à tentação de tentar decorar frases soltas do texto.

Esta vale mesmo a pena. É um bom regresso à plateia - o mote para, depois do
Silêncio, fazermos as pazes com o teatro.


quinta-feira, 2 de outubro de 2008

O Padrinho

(Ñeste dia não vou poder mas acredito que seja muito na linha do que fizemos na FDUP em tempos! Deve valer a pena.)

A Associação Jurídica do Porto vai organizar um jantar debate no dia 15 de Outubro, pelas 20,30 horas, no Restaurante Portucale, sito na Rua da Alegria, 598, no Porto, com a presença do Conselheiro Laborinho Lúcio, sob o tema “Entre a Teia e o Pano”.

Em virtude de existirem inscrições limitadas, o formulário de inscrição, remetido em anexo, deverá ser destacado, preenchido e devolvido até ao próximo dia 10 de Outubro (data até à qual os associados terão preferência na inscrição) para a seguinte morada: Rua Barão Forrester, 693 – 2º, 4050-273 Porto, acompanhado do pagamento correspondente a € 30,00 por pessoa para associados, e de € 35,00 para não associados.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Até para a semana

Dizem que vai estar sol em Covent Garden.

Lucky me.

(ln)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Willkommen


TAFDUP






Músicas que encheram o átrio da FDUP hoje de manhã (recepção ao primeiro ano)



(Tuna Académica de Medicina)



(Legislatuna)




terça-feira, 16 de setembro de 2008

Mitos Urbanos

.
era bom mas é segredo!
.

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Diálogo

" Passou a diligência pela estrada e foi-se;
E a estrada não ficou mais bela, nem sequer mais feia.
Assim é a acção humana pelo mundo fora
Nada tiramos e nada pomos;
passamos e esquecemos;
E o sol é sempre pontual todos os dias."

Alberto Caeiro

" O tempo nasce com o nascer do sol. Todos os dias nasce o tempo"

Pedro Tamen

Giovanni Sollima - Sogno ad Occhi Aperti



domingo, 14 de setembro de 2008

Duas palavras*


PEDRO ALMENDRA.







*E duas mãos...

(IV e JN)

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Outro poema dos dons - Jorge Luís Borges

Graças quero dar ao divino labirinto dos efeitos e das causas
pela diversidade das criaturas que formam este singular universo,
pela razão, que não cessará de sonharcom um plano do labirinto,
pelo rosto de Helena e a perseverança de Ulisses,
pelo amor que nos deixa ver os outroscomo os vê a divindade,
pelo firme diamante e a água solta,
pela álgebra, palácio de precisos cristais,
pelas místicas moedas de Angel Silésio,
por Schopenhauerque decifrou talvez o universo,
pelo fulgor do fogo que nenhum ser humano pode olhar sem um assombro antigo,
pelo acaju, o cedro e o sândalo,
pelo pão e o sal,
pelo mistério da rosa que prodiga cor e não a vê,
por certas vésperas e dias de 1955,
pelos duros tropeiros que, na planície, arreiam os animais e a alba,
pela manhã em Montevideu,
pela arte da amizade,
pelo último dia de Sócrates,
pelas palavras que foram ditas num crepúsculo de uma cruz a outra cruz,
por aquele sonho do Islão que abarcou mil noites e uma noite,
por aquele outro sonho do inferno, da torre do fogo que purifica e das esferas gloriosas,
por Swedenborg, que conversava com os anjos nas ruas de Londres,
pelos rios secretos e imemoriaisque convergem em mim,
pelo idioma que, há séculos, falei em Nortúmbria,
pela espada e a harpa dos saxões,
pelo mar que é um deserto resplandecentee uma cifra de coisas que não sabemos e um epitáfio dos vikings,
pela música verbal da Inglaterra,
pela música verbal da Alemanha,
pelo ouro que reluz nos versos,
pelo épico Inverno,
pelo nome de um livro que não li: Gesta Dei per Francos,
por Verlaine, inocente como os pássaros,
pelo prisma de cristal e o peso de bronze,
pelas riscas do tigre,
pelas altas torres de S. Francisco e da ilha de Manhattan,
pela manhã no Texas,
por aquele sevilhano que redigiu a “Epístola Moral”e cujo nome, como ele teria preferido, ignoramos,
por Séneca e Lucano, de Córdova, que antes do espanhol escreveram toda a literatura espanhola,
pelo geométrico e bizarro xadrez,
pela tartaruga de Zenão e o mapa de Royce,
pelo odor medicinal dos eucaliptos,
pela linguagem, que pode simular a sabedoria,
pelo esquecimento, que anula ou modifica o passado,
pelo costume, que nos repete e confirma, como um espelho,
pela manhã, que nos depara a ilusão de um princípio,
pela noite, sua treva e sua astronomia,
pelo valor e a felicidade dos outros,
pela pátria, sentida nos jasmins ou numa velha espada,
por Whitman e Francisco de Assis, que já escreveram o poema,
pelo facto de que o poema é inesgotável e se confunde com a soma das criaturas e jamais chegará ao último verso e varia segundo os homens,
por Frances Haslam, que pediu perdão a seus filhos por morrer tão devagar,
pelos minutos que precedem o sonho,
pelo sonho e a morte, esses dois tesouros ocultos,
pelos íntimos dons que não enumero,
pela música, misteriosa forma do tempo.

Jorge Luis Borges

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Margarida



PARABÉNS PITUFA :)






PS - A próxima festa direitoÀcena tem que ser temática, so we can show up like this. Or this. Or even this (está-se mesmo a ver que o Afonso e o Sérgio vão adorar a ideia). And I hope someday we'll be enough to do this!


domingo, 31 de agosto de 2008

A Esfera Jurídica*



Identifico-me com o pobre senhor, vocês não?




PS - Nunca em toda a vossa grandiosa existência vão ver (ou fiquem nas imediações de) um concerto de BURAKA SOM SISTEMA. Nem que vos prometam mundos e fundos, ou que sejam o Jude Law e/ou o Josh Holloway a convidar-vos. Trust me, cause I've been there.


*Roubei daqui


sexta-feira, 29 de agosto de 2008

"Por motivos talvez claros o prazer é o que nos torna os dias raros"

Já se sabe que sou fã incondicional (tão incondicional que me dói dizer que os dois últimos discos dele não valem...) do Sérgio Godinho, que é de facto O escritor de canções.

Fui hoje ao concerto dele no Du Art Lounge do Casino Estoril, no ciclo anual de concertos com entrada livre, às quintas feiras. Fazendo contas, cheguei à conclusão que nos últimos sete anos, é a terceira vez que o ouço lá. Hoje lembrei-me da data especial de cada uma das três muito precisas situações e o que tem piada é que os três concertos foram sempre nestes finais de Agosto, sempre nesta altura de pós férias, de intermezzos, de vontades ainda a saber a ano novo.

Cada uma dessas três vezes me deixou - enfim, vá, confesso, pronto, como noutro qualquer concerto dele - a alma cheia e um absurdo sorriso nos lábios (riam-se, mas estes são os únicos concertos em que - pasme-se - danço...).

Ora, caramba! Nós a pedir tanto à vida, a sentirmo-nos tão credores de tanta coisa que nos falta, tão cheios de magnas resoluções e depois a ficar apenas esmagados de puro gozo com duas horas a cantar as músicas de sempre, de puro momento de felicidade e de encantamento com o ressoar das palavras cá dentro (e ainda a ouvi-lo claramente a soprar ao ouvido, na viagem de volta a Lisboa pela Marginal...)

Agora podia "botar" aqui aquela do "brilhozinho nos olhos" mas "soube-me a pouco"; ou a do "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida", mas essa é uma "frase batida" ;-). Mas fica uma das frases mais bonitas de uma outra música (Dias úteis): "por motivos talvez claros o prazer é o que nos torna os dias raros, por pretextos talvez fúteis a alegria é que nos torna os dias úteis" ... E hoje foi, nestes sentidos, um dia raro e útil.

Até para a semana, cheia de vontade de estrear "cadernos novos" e "casacos de malha".
(LN)

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Turismo em Santiago


Teatro Nacional São João organiza viagem

no âmbito da apresentação de Turismo Infinito

em Santiago de Compostela

Turismo Infinito ©João Tuna/TNSJ

Após o êxito da digressão nacional que passou pelas cidades de Lisboa, Faro, Braga, Aveiro e Porto e da apresentação na La Comédie de Reims (França), no passado dia 29 de Abril, Turismo Infinito, espectáculo a partir de textos de Fernando Pessoa, com encenação de Ricardo Pais, vai ser apresentado nos dias 12 e 13 de Setembro, no Auditório de Galicia, em Santiago de Compostela.

No âmbito desta apresentação, o TNSJ está a organizar para o dia 13 de Setembro uma viagem a Santiago de Compostela para todos aqueles que quiserem acompanhar esta digressão à Galiza, proporcionando uma vez mais a oportunidade de ver ou rever o estranho e penetrante espectáculo de Ricardo Pais.

A partida será pelas 16h00 do TNSJ e o regresso será depois de terminada a peça (em principio pelas 00h00 espanholas), o preço da viagem com direito a assistir ao espectáculo será de 25 euros (a viagem só se realizará se houver um número mínimo de 30 pessoas interessadas).

Todos os interessados deverão contactar o departamento de Relações Públicas, até ao dia 8 de Setembro, através do número de telefone 223 401 951.

“Teatro em grande. (…) Um prodigioso texto de Fernando Pessoa magistralmente dirigido por Ricardo Pais. São momentos assim que nos enchem de orgulho em relação à cultura portuguesa, e de confiança nas suas potencialidades.”

Manuel Maria CarrilhoDiário de Notícias (12Jan2008)

“A complexidade da missão não atemorizou António M. Feijó e Ricardo Pais, a dupla a quem coube levar à cena Turismo Infinito. As dificuldades servem apenas para reforçar o evidente triunfo do espectáculo

Sérgio Almeida - Jornal de Notícias (14Dez2007)

“A cabeça viajante de Pessoa na mão hipnótica de Ricardo Pais”

Marcos Cruz – Dário de Notícias (7Dez2007)

Turismo Infinito revela em todo o seu esplendor a arte poética de Pessoa”

Valdemar Cruz – Expresso (8Dez2007)

Rosalina Babo

Dep. de Relações Públicas

Tel. 223 401 951

Os nomes

Tua mãe dava-te nomes pequenos, como se a maré os trouxesse com os caramujos.
Ela queria chamar-te afluente-de-junho, púrpura-onde-a-noite-se-lava, branca-vertente-do-trigo, tudo isto apenas numa sílaba.
Só ela sabia como se arranjava para o conseguir, meu-baiozinho-de-prata-para-pôr-ao-peito.
Assim te queria. Eu, às vezes.


Já não me lembrava desta doçura...
Obrigada Joana Neto pela recordação.

(lbc)

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Não há limites?

Eu sei que há quem não saiba escrever e quem não saiba encontrar palavras para dizer o que quer. Mas há limites. Este fim de semana comprei um telemóvel novo. A explorar aquilo descubro que nos "modelos predefinidos" de mensagens escritas aparece um "Também te amo". Está tudo louco, suponho.

(LN)

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

"Sempre imaginei que o paraíso fosse uma espécie de livraria"


Hoje conclui que o melhor sítio para procurar peças de teatro ainda é a Byblos...Precisávamos de estar lá todas a investigar e confrontar textos e ideias - da discussão nasce a luz...- durante umas horinhas. Para quando uma excursão direitoÀcena à capital? ;p

Inês, from Lisbon

terça-feira, 12 de agosto de 2008

Da blogosfera (II)


Teatro:
O corpo da palavra.

(Inês Pedrosa)

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Parabéns!

Maria Raquel, um grande beijinho de parabéns from all of us

sábado, 2 de agosto de 2008

Platónov

Ontem à noite enchi-me de coragem e fui ver Platónov, ainda bem lembrada da desilusão que foi não conseguir ver a Dúvida e o Turismo Infinito - uma por falta de bilhetes, a outra por falta de pontualidade (britânica). O TNSJ tem esta coisa de dar desgostos às pessoas. E ontem ia ficando à porta outra vez.

Parece-me inevitável que uma peça de 4 horas corra o risco de se tornar ou cansativa, ou enfadonha, ou repetitiva ou desinteressante - ou tudo junto. Antes de entrar na sala, passaram-me pela cabeça dois finais possíveis para a minha visita ao S.João: sair de lá a levitar, como me acontece sempre que vejo um bom filme, um bom concerto, uma boa peça,..., ou dar graças a Deus por ter
acabado. Como diria a LN, coisas de juventude estas dos extremos! É claro que há quase sempre um meio termo, e Platónov personifica precisamente o meio termo entre uma peça 'tudo junto' e uma peça capaz de nos deixar levitantes, como eu acabaria por descobrir 4horas depois.

A qualidade dos actores é já tão inquestionável que m
al serve como argumento a favor da peça na minha lista mental. O TNSJ habitua-nos mal. Eles são 16 e são realmente bons. Lembram-se da nossa querida peça, do nosso pequeno manicómio..? Pois bem, não imaginam o quanto ele me pareceu pequeno e são quando comparado com Platónov. Afinal até somos mais ou menos normais. 16 pessoas em palco, tantas vezes a falar ao mesmo tempo e bem alto - insanidade total. Eu já estava a ficar louca com tanta confusão, às tantas só me apetecia ser eu a pegar na pistola do Platónov e disparar, para ver se alguém punha um ponto final naquele rebuliço doentio. Interpretações incríveis.




A encenação, a cenografia, os movimentos, a luz, os figurinos e a música - a música! - são irrepreensíveis. Havia sempre alguém a tocar piano ou guitarra, baixinho. E bem. Quando havia movimentações na boca de cena, o resto do palco parava, mas de uma maneira linda. Era como se, com uma simples paragem, num carregar no botão off, num desligar a tomada da ficha, se formasse um quadro cheio de movimento. Uma das vantagens da peça ter 4 horas é precisamente haver tempo e vontade de desligar dos diálogos para reparar em certos pormenores que, numa peça mais curta, passariam, provavelmente, bastante mais despercebidos.

O problema da peça é a peça em si. Embora consiga arrancar algumas gargalhadas e tenha pormenores absolutamente brilhantes - e menos não se esperaria de Tchékhov - acaba por ser muito cansativa. Acho que é ponto assente que é cansativa! Agora, aquilo que a torna assim, essa opinião já diverge, com certeza, de pessoa para pessoa. A mim cansaram-me as repetições (ainda que propositadas) e o arrastar de um argumento que não tem 'sumo' para a duração que lhe foi dada. Para mim não tem, mas para outros terá até de sobra e outros outros verão nela um perfeito equilíbrio e consistência.

Ficam aqui duas coisas importantes que saíram da peça comigo - e estas não pecam por falta de 'sumo'. Uma já batida, mas cada vez mais verdadeira, e que me parece ser a principal ideia subjacente à mensagem de Platónov: A infelicidade de uns é a felicidade de outros. Outra que faz pensar - esta em especial para a Margarida, em honra das nossas intermináveis conversas sobre o assunto... assim que ouvi a frase apercebi-me que ela era a síntese perfeita para aquele que foi o problema que mais questões existenciais despertou em nós e que foi mote para longas horas de palavrar durante o ano que passou. O quão difícil e contraditório é 'ser jovem e não ser idealista' ;)

Espero que estejam todos somewhere de férias - vou sabendo de uns, de outros não sei nada - porque são merecidas. Não desfazendo, o Porto em Agosto é um paraíso. Amanhã, Herbie Hancock no Palácio...grátis. Adoro estes investimentos megalómanos na cultura, que não podemos sequer classificar como elitistas - quem à partida não gosta de Jazz (ou não conhece, ou não aprecia por aí além) não perde nada (excepto tempo) em ir experimentar.

Boas férias!

PS - Post número 100!

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Entro em férias daqui a duas horas

"Gosto de dizer. Melhor, gosto de palavrar."

Fernando Pessoa

Boas férias tutti quanti.

L.

terça-feira, 29 de julho de 2008

Tom e Elis

Sintam esta energia positiva para as férias...

sábado, 26 de julho de 2008

Milord!




Lembro-me de cantarolar esta música enquanto transportavamos cadeiras...estou com saudades. Quero trabalhar:)****

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Da blogosfera

http://ateondevaiscom1000euros.blogspot.com/


Há sempre um tempo para partir, mesmo quando não há lugar para onde ir.

terça-feira, 22 de julho de 2008

Here comes the sun


(Praia de Moledo, Julho 08)

quinta-feira, 17 de julho de 2008

À Joana Neto

.

.
Passei por esta na rádio ainda hoje.
Obrigada às meninas que me apresentaram a Casa da Música.

(lbc)

Teatro de Marionetas do Porto


.
Programa já em Setembro. Anotem nas vossas agendas.

(lbc)

quarta-feira, 16 de julho de 2008

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Cinemateca

António Pinto Ribeiro, ministro da Cultura, anunciou no passado Sábado, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, a abertura, ainda sem data, de uma Cinemateca, no Porto.
Uma vitória anunciada e festejada pelos promotores da petição online que muitos assinaram (e eu também).
Um resultado pelo qual o Cineclube da FDUP muito lutou.
Parabéns a todos!
Aguardemos agora as próximas cenas...

(lbc)

domingo, 13 de julho de 2008

Vidas 2


Dei a volta à vida toda - meu Deus. (...) Dar a volta por quanto existi - e exististe tanto. Porque uma vida humana. Como ela é intensa. Porque o que nela acontece não é o que nela acontece, mas a quantidade de nós que acontece nesse acontecer.



Vergílio Ferreira, Para Sempre

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Vidas




(LN)

Livro do Desassossego (n.º 84)

Meditei hoje, num intervalo de sentir, na forma de prosa de que uso. Em verdade, como escrevo? Tive, como muitos têm tido, a vontade pervertida de querer ter um sistema e uma norma. É certo que escrevi antes da norma e do sistema; nisso, porém, não sou diferente dos outros.Analisando-me à tarde, descubro que o meu sistema de estilo assenta em dois princípios, e imediatamente, e à boa maneira dos bons clássicos, erijo esses dois princípios em fundamentos gerais de todo estilo: dizer o que se sente exactamente como se sente – claramente, se é claro; obscuramente, se é obscuro; confusamente, se é confuso; compreender que a gramática é um instrumento, e não uma lei.
Suponhamos que vejo diante de nós uma rapariga de modos masculinos. Um ente humano vulgar dirá dela, «Aquela rapariga parece um rapaz». Um outro ente humano vulgar, já mais próximo da consciência de que falar é dizer, dirá dela, «Aquela rapariga é um rapaz». Outro ainda, igualmente consciente dos deveres da expressão, mas mais animado do afecto pela concisão, que é a luxúria do pensamento, dirá dela, «Aquele rapaz». Eu direi, «Aquela rapaz», violando a mais elementar das regras da gramática, que manda que haja concordância de género, como de número, entre a voz substantiva e a adjectiva. E terei dito bem; terei falado em absoluto, fotograficamente, fora da chateza, da norma, e da quotidianidade. Não terei falado: terei dito.
A gramática, definindo o uso, faz divisões legítimas e falsas. Divide, por exemplo, os verbos em transitivos e intransitivos; porém o homem de saber dizer tem muitas vezes que converter um verbo transitivo em intransitivo para fotografar o que sente, e não para, como o comum dos animais homens, o ver às escuras. Se quiser dizer que existo, direi «Sou». Se quiser dizer que existo como alma separada, direi «Sou eu». Mas se quiser dizer que existo como entidade que a si mesma se dirige e forma, que exerce junto de si mesma a função divina de se criar, como hei-de empregar o verbo «ser» senão convertendo-o subitamente em transitivo? E então, triunfalmente, antigramaticalmente supremo, direi, «Sou-me». Terei dito uma filosofia em duas palavras pequenas. Que preferível não é isto a não dizer nada em quarenta frases? Que mais se pode exigir da filosofia e da dicção?
Obedeça à gramática quem não sabe pensar o que sente. Sirva-se dela quem sabe mandar nas suas expressões. Conta-se de Sigismundo, Rei de Roma, que, tendo, num discurso público, cometido um erro de gramática, respondeu a quem dele lhe falou, «Sou Rei de Roma, e acima da gramática». E a história narra que ficou sendo conhecido nela como Sigismundo «super-grammaticam». Maravilhoso símbolo! Cada homem que sabe dizer o que diz é, em seu modo, Rei de Roma. O título não é mau, e a alma é ser-se.

Bernardo Soares (Fernando Pessoa)

(LN)

quarta-feira, 9 de julho de 2008

terça-feira, 8 de julho de 2008

Porque

'Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.'


Sophia de Mello Breyner Andresen


(Inês)

terça-feira, 1 de julho de 2008

Mais uma do Nando

"A vida é um hospital onde
Quase tudo falta
Por isso ninguém te cura
E morrer é que é ter alta"

Fernando Pessoa

(Quadras ao Gosto Popular, Volume IX, 1ª edição, 1965)

(LN)

domingo, 29 de junho de 2008

Acordos


(porque em casa da minha avó ainda não se tiram fotocópias - e não há 'disto' na internet...)


Posso combinar uma coisa com o senhor Pessoa:

ele que trate das suas pessoas, que as leve ao médico,

lhes dê de comer, e as meta na cama, às três,

sobretudo, e já agora às outras, se as houver,

que eu não me meto nisso. Pessoa,

basta-me a que tenho, e que já combinou

tudo com o Pessoa – mas o próprio,

de gabardine para não apanhar com a chuva

oblíqua no fato preto, e opiário no bolso

por causa do pagode marítimo.


Posso combinar outra coisa com o senhor Camões:

apanhe o avião para a Índia no terminal dos charters,

que são mais baratos; e veja se não fuma às escondidas,

que é proibido; e menos ainda ligue o telemóvel,

que interfere com os instrumentos de voo, mesmo

que precise muito de falar com a Natércia, ou com

a Leonor, ou com a Bárbara, ou qualquer outra das mil

e três que lhe infestam sonetos e canções. O

que eu quero dele é que me traga de Hong Kong (por onde

tem de passar a caminho de Macau) um Rolex

de imitação – no free-shop é mais barato.


E contigo, meu caro Pessanha,

quero combinar outra coisa: não me peças nada

para o Wenceslau. Deixa-o estar no Japão, que

está lá muito bem, e o caminho de volta

para a pátria não se recomenda a ninguém. E tu,

ópio à parte, ensina a nossa querida língua a uns

quantos chineses, mesmo que eles troquem os erres

pelos eles. No teu nome, Camilo, é que não

há troca possível. E se fores à gruta do Camões, leva

o piquenique: talvez não queijadas de Sintra

nem pastéis de nata, mas um frango de aviário

e batata frita (esquece o arroz, que é melhor

ao jantar, no chinês do costume).


Nuno Júdice



quarta-feira, 25 de junho de 2008

ao direitoÀcena... e ao pequeno Sushi!


Temos um poema dedicado a nós..

http://ontheotherland.blogspot.com/2008/06/se-te-queres-matar.html


PS - Para quem não sabe, o Sushi - referido, em relação de horizontalidade com o direitoÀcena!, no post em questão - é o peixe que a autora do blogue ofereceu à Joana Aroso de prenda de anos. Os amigos presentes no jantar decidiram (por unanimidade) chamar-lhe SUSHI. Entretanto, alguma mente brilhante produziu a ainda mais brilhante teoria que versa sobre o curioso facto de o Sushi ter alguma tendência para o nervosismo, prevendo que, mais tarde ou mais cedo, ele vai saltar para fora do aquário, espetar-se num palito e tornar-se literalmente Sushi. E foi assim que chegamos ao momento em que a Lila dedicou uma parte do Se Te Queres Matar ao pobre peixe bebé. Bizarro. Ainda assim, achei que devia partilhar convosco. Portanto... a nós e ao Sushi ;)



terça-feira, 24 de junho de 2008

Lisa Ekdahl

Lisa em Inglês e em Sueco (!!!!). Enjoy.







Du är en saga för god för att vara sann
Det är en saga i sig att vi funnit varan
Vi kunde lika gärna aldrig någonsin mötts
Eller var vårt möte redan bestämd långt innan vi fötts

Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
Vi vet inget idag
Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
vi vet inget idag

Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
Vi vet inget idag
Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
vi vet inget idag

Du är en saga för god för att vara sann
Det är en saga i sig att vi funnit varan
Vi kunde lika gärna aldrig någonsin mötts
Eller var vårt möte redan bestämd långt innan vi fötts

Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
Vi vet inget idag
Vem vet, inte du
Vem vet, inte jag
Vi vet ingenting nu
vi vet inget idag

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Pesquisa

Pitufos,

As minhas sugestões, embora ainda não tenha
pesquisado muito, são de Shakespeare ou Molière.

as MULHERES SÁBIAS- Molière;

Twelfth Night - W. Shakespeare.

*** miss you a lot ***

sexta-feira, 6 de junho de 2008

Nighthawks

Eduard Hopper

Recordo os primeiros ensaios do Processo, numa tarde de Julho, em 2000, no Campo Alegre. Naquela tarde, improvisava-se...
Alguém se lembra disto?

(lbc)

Luigi Pirandello. Esta noite improvisa-se.

Como prometido, comecei a minha investigação. Aqui vai o resultado da primeira incursão pelos textos para teatro.

Luigi Pirandello (Agrigento, 28 de Junho 1867 — Roma, 10 de Dezembro 1936) dramaturgo, poeta e romancista siciliano, foi considerado um renovador do teatro, com profundo sentido de humor e grande originalidade. As suas obras mais famosas são "Seis personagens à procura de um autor", "O falecido Matias Pascal, "Um, Nenhum e Cem Mil", "Esta noite improvisa-se". Recebeu o Prémio Nobel de Literatura em 1934.

Em "Esta Noite Improvisa-se" Pirandello conta duas histórias paralelas. A da peça em si, que é a história de Mommina, Dorina , Totina e Néné, e a história dos actores a representar uma peça. É o teatro dentro do teatro, em que, máxima ilusão, na boca de uma personagem, Pirandello faz referência a si mesmo como o autor do texto.


(lbc)

terça-feira, 27 de maio de 2008

Alma Candela. FITEI 08


Encenação colectiva
Palencia, Espanha


Espectáculo integrado no Clubbing 30 Maio 2008 - 22h
programa completo disponível em
www.casadamusica.com

Inserido em mais uma edição do FITEI, o Clubbing abre, na Praça, com Alma Candela, um espectáculo de rua que transporta uma atmosfera feliniana, nostálgica e fascinante, complementada por uma acção cénica fabulosa e que se move entre a ficção e a realidade.

Projecto recentemente galardoado em Espanha, 'Alma Candela... Calor Humano' chega à Casa da Música, antecedendo mais uma edição do clubbing. Transgressor e imaginativo, o espectáculo constrói-se à volta de um qualquer ritual contemporâneo, com música ao vivo, num jogo em que a mobilidade urbana faz parte integrante da obra e os actores se confundem com o público.

...................................................
Ficha artística
encenação colectiva
direcção artística da companhia Mercedes Herrero
interpretação Alex Rodríguez Ramírez, Ana Ortega García, Héctor Castrillejo San Millán, Mercedes Herrero Pérez, Ricardo Castrillejo San Millán, Trinidad Osorio Rodríguez
som Carlos Herrero Pérez, Adal Fernández del Castillo
acústica Fernando Elias Martínez
entre ficção e realidade Marta Manrique Cobián
marcação eixos dramáticos Mercedes Herrero Pérez
músicos ao vivo Carlos Herrero Pérez (acordeão, guitarra, banjo, quena, flauta, percussão ambiental) Adal Fernández del Castillo (Djambé, darbuka, caja, bombo, tambor, piano, bajo) Fernando Elias Martínez (pau de chuva, huevito e coros)


22h. 30 de Maio de 2008. Praça da Casa da Música

XXXI FITEI

Abertura do XXXI FITEI com o espectáculo ‘Say it With Flowers’

Decorre no próximo dia 28 de Maio, 4ª feira, às 21h30, a abertura da 31ª edição do FITEI – Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica com a apresentação do espectáculo ‘Say it With Flowers’ da Ar de Filmes, no Teatro Nacional São João.

Com encenação de António Pires, ‘Say it With Flowers’ é um espectáculo que assume uma relação lúdica com a linguagem, desconstruindo as convenções literárias e teatrais, experimentando a descontinuidade temporal através do conceito do “presente contínuo” e do som poético, mediante a repetição de sons, gestos e situações, independentemente de qualquer anedota narrativa.

Neste espectáculo, António Pires volta ao convívio de um texto de Gertrude Stein uma década após ter encenado, a convite da Cornucópia, um outro texto da autora, 'A List'.

O XXXI FITEI decorre entre 28 de Maio e 8 de Junho e durante doze dias contará com a apresentação de 24 espectáculos por 15 companhias, de Portugal (7), Espanha (5), e Brasil (1), com destaque para 3 espectáculos de rua, a acontecerem junto à Casa da Música, na Avenida dos Aliados e na Fundação de Serralves.

Consulte o programa completo em
www.fitei.com > FITEI 2008 > Programa