sexta-feira, 29 de agosto de 2008

"Por motivos talvez claros o prazer é o que nos torna os dias raros"

Já se sabe que sou fã incondicional (tão incondicional que me dói dizer que os dois últimos discos dele não valem...) do Sérgio Godinho, que é de facto O escritor de canções.

Fui hoje ao concerto dele no Du Art Lounge do Casino Estoril, no ciclo anual de concertos com entrada livre, às quintas feiras. Fazendo contas, cheguei à conclusão que nos últimos sete anos, é a terceira vez que o ouço lá. Hoje lembrei-me da data especial de cada uma das três muito precisas situações e o que tem piada é que os três concertos foram sempre nestes finais de Agosto, sempre nesta altura de pós férias, de intermezzos, de vontades ainda a saber a ano novo.

Cada uma dessas três vezes me deixou - enfim, vá, confesso, pronto, como noutro qualquer concerto dele - a alma cheia e um absurdo sorriso nos lábios (riam-se, mas estes são os únicos concertos em que - pasme-se - danço...).

Ora, caramba! Nós a pedir tanto à vida, a sentirmo-nos tão credores de tanta coisa que nos falta, tão cheios de magnas resoluções e depois a ficar apenas esmagados de puro gozo com duas horas a cantar as músicas de sempre, de puro momento de felicidade e de encantamento com o ressoar das palavras cá dentro (e ainda a ouvi-lo claramente a soprar ao ouvido, na viagem de volta a Lisboa pela Marginal...)

Agora podia "botar" aqui aquela do "brilhozinho nos olhos" mas "soube-me a pouco"; ou a do "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida", mas essa é uma "frase batida" ;-). Mas fica uma das frases mais bonitas de uma outra música (Dias úteis): "por motivos talvez claros o prazer é o que nos torna os dias raros, por pretextos talvez fúteis a alegria é que nos torna os dias úteis" ... E hoje foi, nestes sentidos, um dia raro e útil.

Até para a semana, cheia de vontade de estrear "cadernos novos" e "casacos de malha".
(LN)

8 comentários:

Pipette disse...

'Nós a pedir tanto à vida, a sentirmo-nos tão credores de tanta coisa que nos falta, tão cheios de magnas resoluções e depois a ficar apenas esmagados de puro gozo com duas horas a cantar as músicas de sempre, de puro momento de felicidade e de encantamento com o ressoar das palavras cá dentro.'
É uma sensação tão boa...chamo-lhe liberdade interior porque não lhe sei dar outro nome. Nunca a tinha tentado pôr em palavras. Ainda bem que conseguiu fazê-lo tão bem. Fico feliz pelo seu dia raro e útil e por ter partilhado connosco essas sábias palavras - as suas e as dele - que são daquelas que, sendo Sérgio Godinho, felizmente ainda não estão gastas.

Agora, não queria ser 'imitona', mas não consigo deixar de confessar que ele também exerce um pequeno fascínio sobre mim desde que me lembro de existir. Não sei se é a voz, se é o sorriso, se é aquele ar de 'cota-fixe-revolucionário-que-foi-em-tempos-menino-bem', se são as músicas, se é a maneira de ser e de estar em palco...ou se é tudo junto. Só sei que há qualquer coisa nele que me faz sorrir, com aquele sorriso das meninas pequeninas que veneram o pai. É estúpido, inexplicável e ridículo - absurdo, se preferirmos - mas acontece :p

E agora a parte mais vergonhosa da minha confissão: também estou cheia de vontade de estrear cadernos e túnicas (e por razões óbvias achei que era a única pessoa no mundo a sentir isso!!)... e o meu mp3 novo! - este tem rádio para eu poder ir no autocarro às 8.30 da manhã a ouvir o programa do Pedro Ribeiro (arranjei esta pequena consolação :D)... de chegar à FDUP e ir a correr ao anfiteatro pousar as coisas na primeira fila, do cafezinho matinal e da pouca paciência para as piadinhas do Sr. Nelson, de voltar calmamente ao meu lugar antes da gerixia (odeio esta palavra, mas aqui aplica-se lindamente) e dos professores chegarem à sala...e de mais mil coisas entre manhã e noite que podem ficar por dizer aqui...de ter reuniões ou ensaios direitoÀcena a fechar os dias...e de uma semana depois já estar cansada disto tudo e a arrepender-me de ter tido saudades quando estava de férias.

Há muito que não me lembrava de Sérgio Godinho e soube bem relembrar. Boa semana antes do regresso à confusão!

direitoàcena disse...

Que raio de diabo é GERIXIA?

(LN)

Pipette disse...

Gerixia = confusão (brasileiro)

direitoàcena disse...

ah. ok. já agora, o sérgio godinho nunca se pode ter qualificado como menino bem.

LN

Pipette disse...

Que eu saiba ele não se qualifica como tal, mas sabe que existem más línguas (e mitos urbanos)... ;)

Joana Neto disse...

Só mesmo a Inês para lançar estes mitos sobre o Serginho!! lol Claro que é fantástico, menino bem ou nem tant...lol.Dois segundos a respirar enquanto trabalho e um para comentar esta post com um "brilhozinho nos olhos"...
(JN)

Pipette disse...

Vocês adoram os meus mitos e adoram ainda mais que eu vos conte os outros mitos que por aí andam e não são da minha autoria (porque a verdade é que eu nunca produzo nenhuns...!). Portanto não gozem, senão qualquer dia não há informações para ninguém x)

l. disse...

de regresso ao trabalho e ao Porto!
e dou de caras com estes posts magnificos, respostas de endoidecer e alegria contagiante... miudas, estava com saudades vossas.
e quanto ao sérgio godinho - que é O verdadeiro Senhor das canções perfeitas - recordo um concerto de Queima em que chorei de rir com aquela "canhotice" de "a paz, o pão..." foi lindo!
beijos a todas e aos meninos pitufos que raramente aparecem...
L