quinta-feira, 28 de maio de 2009

Porque eu não sei nada disto...

Porque não sei o que é ser romântico. Porque não percebo nada disto. Ser romântico é talvez tudo isto e simultaneamente não é nada. Ou então é tudo o que se mostra sem se mostrar, passando apenas silenciosamente dentro de nós.

É um sem sentido permanente.

Porque quando se ouvem cascos a bater no chão todos pensam em cavalos, mas eu acho sempre que pode ser uma zebra....



Nalgum Lugar
Zeca Baleiro

Composição: E. E. Cummings

"Nalgum lugar em que eu nunca estive
Alegremente além
De qualquer experiência
Teus olhos tem o seu silêncio
No teu gesto mais frágil
Há coisas que me encerram
Ou que eu não ouso tocar
Porque estão demasiado perto
Teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra
Embora eu tenha me fechado como dedos
Nalgum lugar

Me abres sempre pétala por pétala
como a primavera abre
Tocando sutilmente, misteriosamente
A sua primeira rosa
Sua primeira rosa

Ou se quiseres me ver fechado
Eu e minha vida
Nos fecharemos belamente, de repente
Assim como o coração desta flor imagina
A neve cuidadosamente descendo em toda a parte
Nada que eu possa perceber neste universo
Iguala o poder de tua intensa fragilidade
Cuja textura
Compele-me com a cor de seus continentes
Restituindo a morte e o sempre
Cada vez que respirar

Não sei dizer o que há em ti que fecha e abre
Só uma parte de mim compreende
Que a voz dos teus olhos
É mais profunda que todas as rosas
Ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas

Ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas."


As imagens são do filme "Luzes da Ribalta"... Se calhar não são precisas palavras para perceber tudo isto...

11 comentários:

Francisco disse...

Eu também não sei o que é...
Mas gosto de pensar nisso. E também gosto de pensar que, por vezes, eventualmente, também eu serei romântico.
Acho que é isto.

direitoàcena disse...

Não sejais liricos...

direitoàcena disse...

Ó Sérgio, o que é isso da zebra, homem?

LN

Don Quixote de la Mancha disse...

Eu depois explico a zebra...de forma razoável e racional também. SR

Gilberto Oliveira disse...

esquece o racional... é muito giro imaginar uma zebra feliz no meio de cavalos...

l. disse...

mas a zebra vinha no meio dos cavalos? ele disse que a zebra vinha em vez dos cavalos, não foi?? lol

Don Quixote de la Mancha disse...

O importante não é que a zebra venha só ou acompanhada de cavalos. O importante é sermos capazes de imaginar para além do óbvio. Ser uma criança no meio de adultos ou um louco entre uma maioria de mentes sãs. Como tantas outras coisas, a loucura é uma questão de maioria. E sim Gil, é bem melhor esquecer o racional...

Gilberto Oliveira disse...

grande zebra!!!
acho que vou adoptar o nome de zebra nas minha epifanias em plena varanda...
agora em vez de: tive uma grande ideia!! digo: bela zebra que vi agora a subir a Firmeza...

Bruno disse...

Ai sim!!! Eu das duas uma:

Ou penso que pode ser uma Zebra...

Ou então, pode ser um Pónei...

Sempre pensei assim desde pequenino...

BL

Gilberto Oliveira disse...

Bruno aposto que eras fanático pelos pequenos póneis!!!

Bruno disse...

Meu humilde eng.º

Não vou comentar, porque já sei k vais gozar cmg...

BL