quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Dizemos

José Saramago
Fevereiro 11, 2009
"Dizemos aos confusos, Conhece-te a ti mesmo, como se conhecer-se a si mesmo não fosse a quinta e mais difícil operação das aritméticas humanas, dizemos aos abúlicos, Querer é poder, como se as realidades bestiais do mundo não se divertissem a inverter todos os dias a posição relativa dos verbos, dizemos aos indecisos, Começar pelo princípio, como se esse princípio fosse a ponta sempre visível de um fio mal enrolado que bastasse puxar e ir puxando até chegarmos à outra ponta, a do fim, e como se, entre a primeira e a segunda, tivéssemos tido nas mãos uma linha lisa e contínua em que não havia sido preciso desfazer nós nem desenredar emanharados, coisa impossível de acontecer na vida dos novelos, e, se uma outra frase de efeito é permitida, nos novelos da vida."

Publicado em O Caderno de Saramago
(LN)

6 comentários:

Daniela Ramalho disse...

saramago usa sempre as palavras certas.há algo de mágico na forma como ele escreve. ou serei eu que já não consigo ser imparcial com este senhor?

Pipette disse...

Na mouche, como sempre.

direitoàcena disse...

Não sou, no geral, fã incondicional do Saramago. Mas quando toca....toca.
E acho que acerta mais nas palavras na escrita corrente, nas crónicas, nos cadernos de Lanzarote, do que na escrita grada.
(LN)

Pipette disse...

E mesmo nos cadernos, só quando não é excessivo. É que quando o senhor é anti qualquer coisa torna-se mais insuportável do que já são as pessoas anti tudo! O meu comentário não era de todo dirigido a ele. Mas também é verdade que quando acerta deixa-nos com um sorriso parvo na cara. Seja pelo humor ou pela seriedade - ou pelo mix de ambos...

Pipette disse...

Conclusão: podia acertar mais vezes :)

Daniela Ramalho disse...

saramago acerta sempre quando fala do amor. a mim deixa-me sempre com um sorriso na cara. deixa-me com vontade de sair à rua e amar alguém :)